ALAN E O ZEPPELIN

No sertão do nosso país nos anos 30 existiu uma personagem avançada para a sua época. Tratava-se de um filósofo de nome Alan, e, tinha atitudes pra lá de ousadas para o seu tempo. Conta-se que ele construiu um artefato voador em forma da atual asa delta. Era uma estrutura de bambu e couro formando um triângulo de uns quatro metros de comprimento por uns dois e meio de largura. Dizem que o teste do artefato voador aconteceu com um salto de cima da torre da igreja, tendo como resultado um voo que pareceu uma queda e algumas escoriações. Mas, alguns mais crédulos dizem que houve um pequeno voo naquele episódio. Outra tentativa importante foi na Serra da Cebola onde aconteceu um voo maior e mais controlado. Naquela época aconteciam os voos dos famosos Zeppelins, e, Alan assistiu a passagem de alguns deles sobre os céus da sua cidade. Ele ficou encantado com o tamanho espetáculo que foi ver a enorme aeronave cruzar os céus. Um dia o filósofo do sertão resolveu passear num Zeppelin e saiu da cidade interiorana onde vivia em direção a um grande centro da região para alcançar o sonhado voo. Chegando a cidade almejada, ele procurou o aeroporto e buscou voar para qualquer lugar do mundo naquela aeronave dos sonhos. Por coincidência, partiria naquela semana um voo para Berlim, num retorno do Zeppelin. Assim, Alan comprou a passagem e esperou o grande dia. No dia da chegada do imponente balão, quando este apareceu no horizonte visto da pista de pouso, milhares de pessoas o aguardavam ansiosamente. Quanto mais o dirigível se aproximava maior era a gritaria e a histeria coletiva. A multidão gritava e gesticulava sem parar. As buzinas apitavam e os sinos tocavam numa celebração inesquecível. No por do sol, o gigantesco balão pousou e foi seguro por muitas cordas grossas presas numa torre de amarração. No dia da partida Alan entrou na aeronave e se acomodou numa das cabines, lá arrumou a sua mala e depois foi aproveitar a viagem. O tempo de voo até Berlim durou aproximadamente cinco dias e tudo correu muito bem. Em Berlim o nosso filosófo começou a cursar engenharia aeronáutica, mas teve que voltar ao perceber as dificuldades de continuar vivendo em terra estrangeira. No entanto, nesse pouco tempo no novo curso, Alan teve acesso aos estudos dos mais avançados meios de transporte aéreo, incluindo dirigíveis, aviões a hélice, a propulsão à jato, foguetes, etc. Um dia, após uma longa viagem, incluindo trechos de avião, de trem e de carro, Alan chegou a sua cidade no interior e se dedicou a construção da sua aeronave. O seu projeto consistia inicialmente num aeróstato com asas, de acordo com projetos mais tarde encontrados por parentes. Seu pai, que era um rico fazendeiro e comerciante, acreditou nas ideias do filho e financiou a construção do seu projeto. Para iniciar o intento, foi construído um galpão na fazenda da família. Caminhões trouxeram motores, ferramentas, peças e outras estruturas para serem usadas na máquina de voar. Os moradores da cidade souberam daquele feito e em pouco tempo toda a região estava sabendo da grande obra construída por um conterrâneo. Formou-se, dessa forma, um enorme burburinho. Alguns contavam que estava sendo construído ali um Zeppelin. Outros diziam que era um avião que poderia chegar à França, e, por aí surgiram muitos boatos. Um alemão chamado Dieter veio visitar o seu colega de curso brasileiro e conhecer o seu artefato. Dizem que Dieter ficou surpreendido com tamanha tecnologia e propôs sociedade. Como tudo estava ficando muito caro, Alan aceitou e Dieter veio morar na cidade. A partir daí surgiram novas cargas que chegavam sem parar ao galpão na fazenda. Outros estrangeiros vinham constantemente visitar o invento inusitado. Dizem que emissários de muitos países vieram a cidadezinha no sertão para conhecer a máquina sendo montada. Na fazenda foi construída uma pista para pouso e decolagem. O terreno ficou plano e o chão batido. Foram colocados sinalizadores ao longo da pista com bacias de barro em cima de pilares de tijolo a cada 50 metros. Para a surpresa de todos um dia pousou naquela pista um enorme avião que veio buscar a máquina voadora. As partes desmontadas foram levadas naquela grande aeronave. Alan foi junto com os pedaços da sua criação em direção ao desconhecido. Pouco tempo depois começou a Segunda Guerra Mundial e Alan vivia na Alemanha e não se tinha notícias dele. Um dia de madrugada um amigo radio amador recebeu uma mensagem para acender os sinalizadores, pois Alan  estava chegando naquela madrugada e ali iria pousar. O amigo assim fez, colocou querosene em todas as bacias e as acendeu. Quando a maquina voadora se preparava para pousar foi surpreendida por uma forte artilharia antiaérea, o seu contato foi interceptado pelo rádio. Alan conseguiu elevar-se e explicar quem era pelo rádio mas não conseguiu êxito. Com muito esforço conseguiu fugir em direção ao oceano atlântico. Depois daquilo não se teve mais notícia de Alan e de sua máquina voadora. Desde muito tempo, fala-se numa estranha aeronave voando pela região e fazendo voos circulares nos ceus da cidade. Ao longo das aparições nunca houve registro de qualquer objeto voador em radares. O que se conta é da tecnologia avançada desenvolvida para aquela máquina voadora, conforme depoimentos de militares e cientistas alemães. De tudo isso, sobrou esse mistério nos céus de uma cidadezinha do sertão, causado pelas súbitas aparições de um objeto voador que não se sabe direito da sua natureza, se é miragem, mentira ou ainda um passeio real de um viajante do tempo.